BOA NOTÍCIA: Rondônia tem 55 curados do COVID-19 e queda no número diário infectados. 1315 foram descarados.

1064

A Secretaria de Estado da Saúde (SESAU), por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), divulgou na tarde desta quinta-feira, 23, o novo boletim sobre a situação do coronavírus (Covid-19) no Estado.

Os dados apresentados referem-se às últimas 48 horas, uma vez que na quarta-feira, 22, por causa de problemas técnicos, os números não foram divulgados.

No balanço apresentado pelo governo do estado, Rondônia já tem 55 pacientes curados do Covid19 e começa a apresentar uma redução no número de casos diários. Na terça-feira, o número de pacientes que testaram positivo para o Coronavirus era de 239. De lá para cá, 27 casos foram registrados, o que mostra uma queda nos índices diários de infecção, que chegou a testar aproximadamente 30 pessoas em um único dia.

Até esta quinta-feira (23) foram consolidados os seguintes resultados para Covid-19 em Rondônia:

Casos confirmados  – 250

Pacientes curados – 55

Óbitos – 05

Pacientes internados com Covid-19 – 20  internados

Descartados – 1315

Aguardando resultados do Lacen – 50

CONFIRMADOS POR MUNICÍPIOS

Os 250 casos confirmados para Covid-19 são nas seguintes localidades:

180 em Porto Velho;

47 em Ariquemes;

08 em Ji-Paraná;

07 em Ouro Preto do Oeste;

03 em Rolim de Moura;

01 em Alto Paraíso;

01 em Buritis;

01 em Jaru;

01 em Urupá;

01 em Vilhena.

Foram confirmados 27 novos casos de Covid-19 em Rondônia, sendo 16 em Porto Velho, oito em Ariquemes, um em Ji-Paraná, um em Ouro Preto do Oeste e um em Urupá.

INTERNADOS POR MUNICÍPIOS

Dos 20 pacientes internados, 16 em Porto Velho, sendo 14 no Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), e dois em hospitais particulares; dois em Cacoal, no Hospital Regional de Cacoal (HRC); dois em Ariquemes, no Centro de Afecções Respiratórias (CNES).

Dos 20 pacientes internados, seis estão na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A Agevisa ressalta que os dados não são lidos e atualizados imediatamente pelo Ministério da Saúde, por isso há atraso (delay) no registro de casos que estão sendo acompanhados diariamente por equipes de saúde nos municípios.