Professor é preso em Porto Velho por pedofilia e pornografia infantil

4210
Segundo informações, o homem M. A. F. S. é professor da Rede Estadual

Um professor, de 54 anos, foi preso pela Polícia Civil em Porto Velho durante a 4ª fase da Operação Luz da Infância, que apura crimes de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet. A ação foi deflagrada nesta quinta-feira (28) pelo Ministério da Justiça e polícias civis no estado.

Conforme a Polícia Civil, para Rondônia foram expedidos um mandado de prisão para ser cumprido na capital. Também é cumprido mandado de busca e apreensão na cidade de Ariquemes (RO).

Em Porto Velho, um educador da rede estadual de ensino foi preso em flagrante pelo armazenamento e compartilhamento de material pornográfico infantil. Na casa do homem, de 54 anos, de iniciais M. A. F. S. ,foram apreendidos três celulares e um notebook.

No notebook há conteúdos pornográficos de crianças, com idades entre 8 e 15 anos. A maioria do material tinha conteúdo pornográfico de meninos. Os celulares apreendidos com o professor serão periciados.

Segundo a delegada Marcia Gazoni, o educador deve pagar fiança por armazenar conteúdo de pedofilia e responder pelo crime em liberdade.

Suspeito foi levado à delegacia da capital — Foto: Cássia Firmino/G1

Suspeito foi levado à delegacia da capital — Foto: Cássia Firmino/G1

Operação no Brasil

A 4ª fase da operação envolve 133 cidades e é coordenada pela Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Mais de 1.500 policiais participaram das buscas.

As penas para os crimes investigados variam entre 1 e 8 anos de prisão. Quem armazena material de pornografia infantil tem pena de 1 a 4 anos de prisão. Para quem compartilha, a pena é de 3 a 6 anos de prisão. A punição aumenta para 4 a 8 anos de prisão para quem produz esse tipo de material.

Ao todo, 266 mandados de busca e apreensão nos 26 estados e no Distrito Federal. Apesar de não haver mandados de prisão, estão sendo presos em flagrante os suspeitos de armazenamento e compartilhamento de material encontrados nas casas onde há buscas. Com informações G1Rondônia.