Marido não aguenta chifre de enfermeira pelo zap zap e tenta matar médico garanhão com soda na cara

11082

Um agente penitenciário de 40 anos, ressabiado com o comportamento da companheira, uma enfermeira que trabalha no Cemetron, em Porto Velho, aproveitou um minuto de bobeira da esposa, passou a mão no celular dela e foi fuçar as conversas do zap zap e acabou não gostando nada das conversas nada tradicionais que a dileta esposa mantinha com um médico de nome de 49 anos, que trabalha no mesmo hospital e, suspeitando que estava tomando chifre, decidiu resolver as coisas do modo antigo.

Meteu um berro na cinta, passou a mão num pote com soda cáustica diluída em água, subiu na sua motoca e partiu para o hospital, onde ficou esperando o médico garanhão chegar. Por ter visto fotos do doutor no celular da esposa, com aquelas mensaginhas melosas e comprometedoras, ele já sabia de quem se tratava e ficou na espreita, até que o doutor garanhão chegou na sua caminhonete importada, cheio de pose, para mais um dia de trabalho e, quem sabe, trocas de olhares ou algo a mais com a enfermeira das mensaginhas.

Quando o médico garanhão desceu do carro no estacionamento do Cemetron, deu de cara com o marido da enfermeira que queria explicação para as mensagens, mesmo que isso fosse desnecessário no momento.

Conversa vai, conversa vem, o marido certo de que tinha sido traído abre o pote com soda cáustica e joga na cara do médico. O produto químico atinge os olhos e a boca do infectologista, que também carregava um pau de fogo na cinta e revida, metendo bala no seu agressor, acertando-lhe o ombro.

Depois de uma troca de tiros no bom estilo faroeste, o marido traído, já sangrando, sobe na moto e dispara em direção da BR. O médico sai correndo pra dentro do Cemetron e pede socorro.

Atendido por enfermeiras (não se sabe se a dita cuja estava no meio) e por médicos do Hospital de Doenças Tropicais de Rondônia, o homem que também é professor de uma faculdade particular recebe os primeiros socorros, e às pressas para o Hospital João Paulo II e depois para a UTI do Hospital de Base, onde permanece internado.

Depois da confusão, o marido traído dá um tempo, espera a poeira baixar um pouco e se entrega na delegacia, onde confessa que agrediu o médico por causa de ciúmes da mulher, dizendo que procurou tanto no celular da esposa e encontrou o que não queria.

O homem a princípio, por ter se apresentado e confessado o crime, iria ser colocado em liberdade, mas em virtude do mandado judicial expedido pela Justiça a pedido da delegada de plantão da Delegacia Especializada em Crimes contra a Vida, mesmo estando baleado no ombro, será encaminhado ao Complexo Penitenciário de Porto Velho.

O resultado da operação soda cáustica é de dois feridos, com um preso e outro na UTI e a mulher chorando.