Governo quebra o discurso de economia e mantém cabides de empregos chamados de Secretarias Regionais

96
Reunião dos novos secretários regionais para alinhar o discurso e tentar das função para os cabides de emprego

Ao contrário do que todo mundo esperava, o Governo de Rondônia não vem conseguindo se desvencilhar das amarras políticas e confirma a manutenção das nove secretarias regionais espalhadas por todo o território rondoniense, que não produzem praticamente nada, não possuem independência administrativa, gastam horrores e não passam de meros cabides de empregos.

De acordo com o governo do Estado, “as secretarias regionais devem atuar como articuladoras da transformação em suas respectivas regiões e estão localizadas nos municípios de Guajará-Mirim, Ariquemes, Jaru, Ouro Preto, Ji-Paraná, Rolim de Moura, Cacoal, São Francisco do Guaporé e Vilhena”.

Na prática, no entanto, têm se revelado nos últimos anos como braços mortos do governo, verdadeiros cabides de emprego para abrigar apadrinhados políticos de deputados, senadores, prefeitos e dos próprios governadores em cada região. As Secretarias regionais não decidem nada, não mandam nada, não servem para nada, não têm utilidade nenhuma e deverias ser extintas.

Foram criadas no governo de Ivo Cassol (PP) e desde então destinam-se apenas para sustentar os cabides de emprego dos compromissos políticos em cada uma das regiões. A promessa de um governo diferente não tem se concretizado neste primeiro mês do governo Marcos Rocha (PSL), uma vez que as velhas táticas tem sido repetidamente usadas.

A decisão do governador Coronel Marcos Rocha de manter as Secretarias Regionais vai de encontro ao discurso da economicidade e contrasta com a decisão do seu correligionário, Comandante – Coronel do Corpo de Bombeiros – Carlos Moisés (PSL), governador de Santa Catarina, que na primeira canetada extiguiu as Secretarias Regionais no Estado catarinense, que funcionava da mesma forma como em Rondônia, produzindo muitas despesas para pouco ou quase nenhum resultado.

Tentando encontrar uma utilidade para as nove regionais em Rondônia, o governo do estado promoveu um encontro, onde os secretários de Planejamento, Orçamento e Gestão (Sepog) Jailson Viana e Artur Leandro receberam os novos gestores das Secretarias Executivas Regionais de Planejamento (SER) e representantes dos principais órgãos públicos responsáveis pelo desenvolvimento econômico, produtivo, social e de infraestrutura do Estado.

A ideia do encontro, de acordo com o titular de Planejamento, foi repassar as principais orientações que devem ser seguidas pelos novos secretários, pautadas na finalidade institucional prevista na lei, nas diretrizes estabelecidas pelo governador coronel Marcos Rocha e nos encaminhamentos da equipe de coordenação da Sepog.

Na prática, a reunião foi uma chamada para informar que as secretarias precisam mostrar serviço, porém, não foi anunciada nenhuma mudança do ponto de vista estrutural o que fará com que continuem fazendo as suas funções de armário, abrigando apadrinhados e consumindo o dinheiro público.